Embriões

Assim como congelar óvulos e espermatozoides, congelar embriões é outro método para preservação da fertilidade, pois eles representam potencial de gravidez futura.

Considerando que o embrião é o fruto da fecundação, é preciso que o óvulo já tenha sido fecundado pelo espermatozoide, no procedimento de fertilização in vitro.  Uma vantagem do congelamento de embriões é que, diferentemente do que ocorre com óvulos e espermatozoides, já sabemos previamente sua qualidade, isto é, podemos estimar se determinado embrião representa um potencial maior ou menor de originar gravidez quando for transferido. Por outro lado, uma possível desvantagem é que, no futuro, o embrião somente poderá ser transferido com a concordância de ambos os membros do casal (salvo situações de “produção independente” em que os embriões são formados utilizando-se gametas doados). Em casos de separação do casal, por exemplo, nenhum dos dois poderá optar individualmente pela transferência dos embriões congelados.